Já te atentou onde pisas na cidade? Nossos chãos são repletos de sinais, mensagens, resíduos e detritos que explicam muitas coisas. Conta-nos várias histórias que, por vezes, nem imaginamos: aquela que vem dos tipos de pavimentos que se substituem, das mensagens que se perpetuam, dos tipos de objetos que são dispensados. Os sulcos que formam cicatrizes dos talhos de retrabalho, das estampas que volteiam como tatuagens. Aliás, quem diria que máscaras protetoras seriam tão perigosamente presentes em nosso domínio comum, nesse conturbado 2020...

 

             O chão da rua mostra muito: quem somos e para onde vamos. São repletos de poética, beleza e dramaticidade; mas também de dureza, tristeza e incompletude, revelando (ou não) os esforços físicos, financeiros e sociais para que fossem concretizados. Emana dos/nos chãos uma dimensão cultural que os transformam numa obra viva. São verdadeiros espelhos opacos de uma dada cultura urbana.         

Floorscapes #01

Floorscape_04_Malu.jpg
ACHADOS &
PERDIDOS

Maria Luiza Ballarotti

5.1.jpg
CONFLITOS

Mario Pavanelli 

C2_F26.jpg
AFLORAR

Martha Santos

03-FL-LW-7962.jpg
DIÁLOGOS

Letícia Winkert

4.jpeg
INSCRIÇÕES

Alessandro Filla Rosaneli

3 PESSOAS.jpeg
À SOMBRA
DE ALGUÉM

Beatriz Chudzij

Fuga.jpg
RASTROS,
TRAÇOS E
TRAJETOS

Kauan A. Fonseca

IMG_01B.jpg
CONEXÕES

Jeanne Moro

IMG_E3877.JPG.jpg
AMBIGUIDADE

Marianna Verroni

A PEGADA 
MECÂNICA

Mustafa Hassan

Foto 4.jpg
DES
       NÍVEIS

Rodrigo P. Nitto

CHUVA 2.jpg
CHUVA

Soluanny H. Barbosa

REFLEXOS 3.jpg
REFLEXOS E REFLEXÕES

Soluanny H. Barbosa

4.jpg
SOBRAS

Érica M. Victorino

4.JPG.jpg
ADAPTAÇÕES

Isabela Ventura

PONTOS

Felipe Ferreira

faixa de pedestre.jpg
TEXTURAS

Bianca Roqué

Os sentidos devem estar atentos para captar essa riqueza. Deve-se olhar mais de uma vez para a mesma mirada a fim de desvelar o que está ali à mostra, chutado e pisoteado. Olhar de forma diferente. Aprender a ver. É um exercício de tenacidade e de paciência, que exige atenção forçada, já que a nossa acuidade se esvai em razão da exposição continuada. Esse foi o desafio a que essa exposição respondeu. E se fez caminhando, habitando o mundo que nos cerca.         

Essa mostra virtual é um primeiro ensaio, uma licença poética para reunir algumas temáticas que interessam aos seus autores na densa paisagem urbana. Registramos os elementos da paisagem do chão, o floorscape. Mesmo com as dificuldades desse momento de pandemia, caminhamos pelos arredores de nossas casas (no limite aproximado de 500 metros percorríveis a pé), fotografando o que o chão nos revelava. Simples assim, mas difícil mesmo. Esperamos que se deleitem e renovem seus olhares para o chão que caminhamos.

         

Texto e curadoria: Alessandro Filla Rosaneli

Montagem e editoração: Maria Luiza Ballarotti, Letícia Winkert e Kauan A. Fonseca