top of page
sem título-92.jpg

RUA COMENDADOR ARAÚJO

passeio publico_edited.jpg

Fotografias: Equipe do Observatório do Espaço Público.

O PASSEIO E SUA HISTÓRIA

O Passeio Público, inaugurado em 1886, surgiu como uma solução do então presidente da Província do Paraná - Alfredo D ́Escragnolle Taunay - para o problema de alagamento constante naquela área (que atualmente, corresponde ao encontro das ruas Carlos Cavalcante, Presidente Faria, João Gualberto e Luís Leão). O terreno alagadiço e abandonado, conhecido como Banhado Bittencourt, era um grande vetor de doenças, principalmente da cólera, e por isso surgiu essa grande necessidade de agir. A ideia de Taunay, de criar um parque, foi inspirada nas soluções urbanísticas da Europa, as quais surgiram principalmente em função da nova corrente de pensamento desencadeada pela Revolução Industrial, que defendia melhorias no trânsito, higiene e estética das cidades. O responsável pela construção, saneamento e doação do parque foi o Comendador Francisco Fasce Fontana, que possui um busto em sua homenagem no local até os dias de hoje. O projeto de saneamento diz respeito ao trecho do Rio Belém que cortava aquele espaço e foi transformado em um grande lago para o lazer.  

O Passeio Público foi o primeiro parque de Curitiba e, por muito tempo, também foi o Jardim Botânico e o zoológico da cidade (até que a maior parte dos animais fosse transferida para o zoológico no Parque Iguaçu). Durante esse período, ele chegou a comportar 103 mamíferos, 721 aves e 429 peixes, graças ao seu amplo espaço de cerca de 70 mil metros quadrados ( o que o permite abrigar diversas atrações até os dias de hoje).

Com o passar dos anos, outras obras foram sendo realizadas na tentativa de melhorar cada vez mais o espaço. Em 1910, o arquiteto alemão Frederico Kirchgässner criou um dos elementos mais famosos do parque: os portões de entrada. Eles foram inspirados nas linhas arquitetônicas do portão do Cemitério de Cães de Asnières, em Paris, e alguns anos depois, em 1974, foram tombados pelo Patrimônio Histórico e Artístico do Paraná. Cinco anos depois, em 1915, Kirchgässner projetou e auxiliou a implantar o primeiro parque infantil no Passeio Público. 

No mesmo período (início do século XX), o projeto de paisagismo foi reformado por Antoine-Bouvard, e teve como proposta um jardim moderno misturado com um clima de Belle époque. Foram implantadas rochas e grutas artificiais feitas de cimento, além de Ilhas, como a “Ilha das Ilusões”, criada em homenagem ao poeta paranaense Emiliano Perneta. 

Fonte: Alessandro Casagrande e CuritibaAntiga

Ao longo desse século, outras obras foram construídas e reformadas, fortalecendo uma tendência da época de maior permanência dos usuários nos espaços públicos. Um exemplo é o Restaurante do Estudante. Em 1956, ele foi atingido por um incêndio e reconstruído sob o nome de Recreio do Garoto. Mais tarde, em 1970, o nome mudou outra vez, agora para Bar Lá no Pasquale, e passou a atrair cada vez mais intelectuais. Por fim, em 1988, outro nome foi criado: o Restaurante do Passeio. O telhado do  coreto também foi reformado e um aquário com peixes ornamentais foi integrado ao espaço.  

A maior revitalização que ocorreu no Passeio Público se deu na década de 1960, quando foi elaborado um Plano Diretor do Passeio Público, elaborado pelo IPPUC (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba). Esse plano proibia automóveis dentro do parque, liderou a conclusão da canalização do Rio Belém, remodelou os parques infantis e banheiros foram construídos. Além disso, as trilhas foram pavimentadas e o parque recebeu novas redes de iluminação. Uma curiosidade interessante é que, no passado, o espaço costumava ser iluminado por lampiões alimentados com óleo de peixe. Por fim, o restaurante e a Ilha da Ilusão foram reformados, e a Ilha do Macaco foi criada.

Fonte: Centro de Documentação e Pesquisa Casa da Memória.

Essas mudanças tiveram efeito e uma década depois, em 1970, o Passeio Público passou por um de seus melhores momentos, chamado “a década de auge”, quando se tornou o principal ponto de lazer dos curitibanos. Além das reformas, outro fator que auxiliou nesse grande momento, foi o fato de o Passeio Público ainda ser o único parque que existia no período. 

Em 1984, assim como os portões de Frederico Kirchgässner, todo o Passeio Público foi tombado como Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural do Estado. 

Já no centenário do parque, em 1986, outras pequenas reformas foram feitas, assim como a limpeza dos canais. Novamente, em 1992, mais alterações foram feitas em função de uma obra viária que ocorreu no entorno do Passeio (houve a necessidade de implementar uma linha de ônibus na Rua Presidente Faria e na Avenida João Gualberto), havendo uma remodelação no cercamento do parque. Por fim, a última grande novidade foi criada em 1999, quando implantou-se uma estação policial 24 horas no local, em função da violência, insegurança e repercussão negativa do local.  

Fonte: Equipe Observatório do Espaço Público

Atualmente, o Passeio Público funciona como sede administrativa do Zoológico Municipal de Curitiba, abrigando ainda, pequenos animais como aves, macacos, serpentes e lagartos e uma grande diversidade de peixes da região amazônica e da África. Quanto ao paisagismo, é possível encontrar várias espécies nativas e exóticas, como carvalhos, ciprestes, paineiras e jacarandás e floreiras. Grande parte do espaço é asfaltado, permitindo a passagem de carrinhos de bebês e cadeirantes. Bancos e postes de iluminação estão dispostos ao longo dos caminhos, assim como latas de lixo que auxiliam na manutenção e limpeza do local. Já os lagos possuem fontes que embelezam ainda mais o espaço. Pontes levam os visitantes a algumas ilhas, e outras permanecem distantes, apenas para a admiração, como a Ilha dos Macacos. É possível encontrar vários pavilhões e estruturas de eventos, já que o Passeio Público costuma abrigar diversos tipos de atividades culturais. Ainda existe um carrossel no local, elemento que sempre foi importantíssimo e muito conhecido nos séculos passados. Existe também um espaço com mesas de xadrez e bancos para descanso para reuniões e momentos de lazer dos usuários. Os parques infantis com diversos brinquedos se fazem muito presentes e atraem várias famílias. Eles estão localizados próximos a uma instalação sanitária bastante confortável e organizada. Todo o espaço é envolto por uma ciclofaixa e cercados para maior proteção dos visitantes. Por fim, é possível encontrar uma placa anexada a uma rocha, com uma mensagem do prefeito Pedro Greca. Nela, está descrita resumidamente a origem do Passeio Público e faz-se um pedido para preservação desse espaço tão importante e especial. 

PERCEBENDO O ESPAÇO